segunda-feira, 30 de Agosto de 2010

Sexo Oral I

A língua lambe
Carlos Drummond de Andrade

A língua lambe as pétalas vermelhas
da rosa pluriaberta; a língua lavra
certo oculto botão, e vai tecendo
lépidas variações de leves ritmos.

E lambe, lambilonga, lambilenta,
a licorina gruta cabeluda,
e, quanto mais lambente, mais ativa,
atinge o céu do céu, entre gemidos,
entre gritos, balidos e rugidos
de leões na floresta, enfurecidos.
 


Sexo Oral I

Ok, aqui vai o segundo post! Peço desculpas pela demora, mas aqui estou como prometido, e o tema é sexo oral ( parte I).

Antes de mais, tenho que dizer que, para mim, não há nada em nós que não possa ser beijado ou acariciado. Com as mãos, com a boca ou mesmo com o corpo todo, tudo o que é pele é sensível ao tacto e, portanto erógeno. E o sexo oral (quando é bem feitinho, claro!) é uma delícia! Mas não é simplesmente pôr ali a boca e mexer a língua ou esfregar como se no lugar do clítoris estivesse uma nódoa! NÃO, NÃO, por favor! É preciso saber fazer.

Também não é chegarem ali, darem uns beijinhos, esfregarem o clítoris e já está. Por outro lado, cada mulher é diferente - umas preferem com mais pressão e mais intensidade; outras preferem com mais suavidade; já outras preferem ser sugadas... É igualmente verdade que cada homem faz de forma ligeiramente diferente e dá um tempero especial, deixa a sua marca pessoal. Acho que o sexo é uma constante descoberta do nosso corpo e do nosso parceiro. Que carícias mais gostamos, onde e como, aprimora-se com o tempo. Aqui, passo a citar uma amiga: 

“Tudo no sexo tem de ser a dois, a descoberta a dois, o que resulta com uma pessoa, não resulta com outro, não há receitas, é preciso sentir o outro, o momento, e principalmente vencer os receios de dar e receber prazer”.

E porque o sexo oral é tão bom? Bom, encontrei uma explicação científica:

O clítoris contém cerca de 8 mil terminações nervosas, mais estruturas fibrosas do que qualquer outra parte do corpo humano (feminino ou masculino) e interage com outros 15 mil nervos que irrigam a pélvis. E quando intumescido, o clítoris ajuda a formar um arco na entrada da vagina, que aumenta a pressão contra o pénis no momento da penetração. A abertura vaginal fica assim mais estreita, potencializando a excitação masculina. Estão a ver, meus caros? Estimular o clítoris também é bom para vocês!

E se ainda não sabes onde fica o clítoris, pergunta. Nós indicamos o caminho lololol! E atenção meninas: nada de pêlos. Se, para alguns, já é difícil lá chegar, se tiverem que atravessar a Mata Atlântica vai ser ainda mais complicado.

Mas um ponto é comum a todas nós: Não gostamos de pressa!!! Antes devem gastar um bom tempo com os maravilhosos preliminares. É bom quando exploram o nosso corpo… Devagar, passem pelos seios, desçam a mão pelas costas, toquem nas nádegas e nas pernas. Eu gosto quando ele passeia pelo meu corpo, quando ele me beija ou simplesmente olha para mim enquanto passa a mão por entre as minhas coxas… Quando me provoca, mas também quando quer sentir o meu corpo, a textura da minha pele, tudo sem tocar nas zonas mais erógena... ainda :-))). Adoro quando ele me faz delirar de prazer antes de me penetrar.

Acredito que muitas mulheres gostem de um certo suspense, daquele joguinho de gato e rato (eu adoro essa parte :D!!!). Sim, meu caro, porque mesmo que tenhamos a certeza de que vais fazer sexo oral, saber adiar o momento deixa-nos prestes a trepar pelas paredes!

Tudo isso pode ser feito com beijos, lambidas, toques suaves ou mais intensos das mãos. Enfim, devagarinho, abrindo o caminho para a perdição: o clítoris!

A maioria das mulheres gostam de toques ou introdução de dedos na vagina, no ânus e até, aquilo que eu chamo de “três em um” :-): na vagina e no ânus simultaneamente.

Existem ainda produtos que podem tornar o jogo oral ainda mais interessante. São produtos que funcionam como um incentivo para explorar o corpo. À venda em sex-shops, existe, por exemplo, um creme especialmente concebido para aumentar a sensibilidade do clítoris. Há ainda óleos com sabores como morango/champanhe, uvas ou laranja… O meu preferido é um creme de chocolate, é delicioso, recomendo :D!!! Existem ainda pós comestíveis e pasmem: até um creme estimulante para o ponto G!

Gostaria só de terminar com um conselho para os homens: Para ser um bom amante é fundamental ser um bom observador e um bom ouvinte. E para as mulheres com dificuldades em sentir prazer sexual, um apelo: O primeiro passo para mudar esta situação é familiarizarem-se com o seu corpo. Olhem-se no espelho, passeiem pela vagina, sintam o clítoris… acariciem-se na cama, no duche ou na banheira, masturbem-se com o dedo ou com um vibrador e aprendam mais sobre a vossa fisiologia.

Ah… Vou aproveitar a deixa e dar, para quem está com dificuldades neste campo, o contacto da sexóloga Vânia Beliz (vaniambf@hotmail.com) que, além de uma grande amiga, é uma profissional fabulosa. A anorgasmia (falta de sensação de orgasmo na relação sexual) pode ter diversas causas e nem todas são psicológicas. Por isso, defendo que nunca é bom guardarmos as nossas angústias e dúvidas, uma conversa com o nosso médico ou com um sexólogo pode sempre ajudar.

Portanto, meus amigos, já não têm desculpas! Lancem-se ao mar.


Eis algumas opiniões femininas:


“Adoro que o rapaz comece com beijos na parte interna das coxas. E sim! Acho a saliva essencial - excita muito mais. É importante ir tocando enquanto o faz; e mais para o final do sexo oral é importante que a língua entre no ritmo e se aguente assim algum tempo. Assim é que se vai ao céu.” Sara


“Tudo no sexo tem de ser a dois, a descoberta a dois, o que resulta com uma pessoa, não resulta com outro, não há receitas, é preciso sentir o outro, o momento, e principalmente vencer os receios de dar e receber prazer. Mais: 

Pêlos, nem vê-los. Saliva, muita. Começar devagar, percorrendo toda área circundante, com a língua, lábios, mãos, dedos. Penetração com dedos, fundamental. Observar a expressão da mulher, contacto visual. Apalpar as pernas, o rabo, os seios com as mãos, sentir o seu corpo. Puxar-lhe as mãos para ver como ela faz e promover o seu próprio prazer. Dedicar-se por inteiro ao clítoris...com muita saliva, sucção, pressão, em simultâneo a penetração com os dedos... Neste momento ela deve já ter as mãos nos vossos cabelos e a gritar... e se a mulher estiver a gostar, vê-se pela forma como ela relaxa as pernas abrindo-as cada vez mais...” Muse River


“Gosto imenso quando o meu parceiro me acaricia com a língua em movimentos circulares em redor do clítoris, fazendo pequenas pressões no mesmo. Nem precisa de ser um toque muito em cima, sabe-me melhor o toque indirecto. Também gosto que ao mesmo tempo me penetre com os dedos. Ser demasiado insistente ou usar de demasiada pressão é um erro! E porque é um contacto muito íntimo, que feito com muito Amor torna-se ainda melhor. Além de que os preliminares, são o melhor afrodisíaco de uma relação!” Ana Fonseca Sousa


“Não há fórmulas, mas não gosto de pressas. Acho que tem muito a ver com a diferença entre fazer porque gosta ou fazer porque sabe que dá prazer, percebe-se quando um parceiro está a fazer porque gosta. Pode ser muito bom, mas ainda prefiro outras coisas. Por enquanto ainda gosto mais de fazer do que receber.” Lou Alma, blogger


“Não gosto de sexo oral feito em três tempos. Não é algo que queria consumir como uma pizza congelada que em 5 minutos está quente e pronta a comer. O sexo oral para mim é algo que requer tempo para ser bem feito. Gosto de olhar nos olhos a quem o faço e provocar. Gosto mais de fazer do que receber! É bom, não é o prato principal, mas é um aperitivo delicioso.” Di, meu estranho mundo


“Hmmm gosto que me vá provocando devagarinho e depois ataque sem dó nem piedade e que me faça sofrer quando vê que estou mesmo a lá chegar... Epá eu sei que vai parecer mal.. Mas o meu gajo não erra :P. Hmmm eu sou sincera. Eu prefiro ser eu fazer-lhe, mas... é tão bom porque podemos soltar-nos e simplesmente esperar que ele nos faça lá chegar e isso… não é bom… é fantástico!” Doce Veneno, blogger


“Eu prefiro a relação sexual "normal" com muitos preliminares, muito envolvimento e muita cumplicidade. Por outro lado, centrar o acto sexual muito no sexo oral é um erro. Porque é tão bom? Boa pergunta! Nem eu sei!!:-)" Helena Santos


“Sexo oral é bom porque é! O que eu mais gosto é de umas boas lambidelas no meu clítoris. Os erros mais frequentes são: às vezes não sabem bem como o fazer pois lambem, lambem e não é no sítio certo ou na velocidade que gostamos." Paulinha Cruz


“O que mais gosto? Passar a língua firmemente pelo clítoris, repetidamente. Achar que o clítoris não precisa de ser bem estimulado é um erro frequente. Precisa e agradece-se que o tratamento seja intenso e frequente. Lentamente é bom, mas não chega. Andar a lamber de um lado para o outro é agradável no início, mas não satisfaz ninguém. Concentrem-se no essencial - clítoris. A exposição do corpo é enorme e só essa ideia é bastante excitante. Ver o outro a gostar de dar prazer obviamente agrada mas o melhor de tudo é entregarmos o corpo totalmente a alguém.” Vontade De, blogger


domingo, 4 de Julho de 2010

O nascimento de uma Virgem

Oriunda de uma família tradicional portuguesa, educada nos melhores colégios católicos, a Virgem cresceu sob o jugo da típica moral judaico-cristã. Como todas as meninas educadas da mesma maneira, foi ensinada a casar virgem (lembro-me dessa conversa quando tinha uns 11/12 anos de idade) e a reprimir a sua libido ou quaisquer desejos "pecaminosos”. De facto a Bíblia está carregada de preconceitos e de imagens distorcidas da figura feminina. Aliás, o ícone da Virgem Maria (virginal e assexuada, e portanto destituída de pecados) é de, longe, o símbolo mais cruel pois impõe, de certa forma, um modelo a seguir que vai contra a nossa natureza biológica. O desejo sexual é uma manifestação natural do corpo. Ainda me lembro de quando comecei a beijar (LOL, o primeiro namorado só surgiu lá pelos 15 anos) e nas festinhas os rapazes arriscavam algumas carícias mais ousadas abaixo da cintura… Educadamente dizia, “desculpa lá, mas a cintura é mais acima” LOL. Bom, também havia as virgens ofendidas que faziam uma escandaleira e o pobre rapaz ficava completamente humilhado… Havia sempre o medo – assente na realidade - de sermos ostracizadas, de sermos encaradas como prostitutas, vagabundas, vadias e etc. Que perda de tempo!

Então, o que correu mal? Nem eu sei. Mas sempre ouvi dizer que as meninas de família eram as “piores” LOL Creio que, por um inexplicável mecanismo de defesa e face a um contexto que não me permitia rebelar abertamente (não tinha qualquer hipótese de ganhar esta “guerra”), rebelava-me secretamente. Desenvolvi, portanto, um lado público, certinho, obediente e bem-comportado, e, sob a capa do primeiro, surgiu o meu Lado B, o meu lado alternativo (infelizmente, ainda são muitas as mulheres que não conseguiram a sua libertação sexual e quando o fazem o preço a pagar é demasiado elevado).

Também acho que tive a sorte (ou a inteligência) de encontrar namorados ou parceiros (à excepção do primeiro LOL - mas esta história já daria outro post) - que se interessassem pelo meu Lado B e, de alguma forma, pudessem alargar os meus horizontes e experiência sexual. E descobri que sexo é bom e faz bem à pele LOL

A Virgem do Varão surgiu numa brincadeira, uma piada entre amigos. Nasceu de forma espontânea e bem-humorada. Não foi demasiado pensada (acho que nem foi pensada, diria até que nasceu às pressas LOL). E para minha grande surpresa, a Virgem tem atraído a curiosidade de muitos e… muitas. Por isso, decidi saltar do Facebook para a Blogosfera. E este é o único post em que falarei de mim. Este blogue irá falar de sexo e tudo o que toca este universo: pornografia, erotismo, brinquedos, relacionamentos, sensualidade, enfim. Porque como diz o sociólogo Roberto Freire, Sem tesão, não há solução: “Uma vez livre das repressões sociais e políticas através do sexo, (…) a sensualidade é a mais clara e intensa, a mais verdadeira e real sensação de estar vivo.”